Lendo este magnífico post do Cardoso hoje, me lembrei de uma situação interessante e pertinente ao assunto.

Estava cobrindo no começo do ano o desenrolar do novo contrato Clube dos Treze e CBF x Emissoras de televisão.O C13 assinou antes um acordo com o CADE comprometendo-se dentre outras coisas a separar os contratos de TV Aberta, TV fechada, Pay-per-view, Internet e Celular. Quando foi falado em renovar os contratos de internet, fiquei animado demais, pois conheço e uso os sistemas de Pay-per-view para internet da NBA, NFL e MLB. Os três tem funcionamentos específicos, mas vou dar uma explicação geral de como eles funcionam:

Você pode escolher (geralmente) entre quatro modalidades: Temporada completa, Siga seu time, Passe 24 horas e Acervo. A temporada completa tem, como o próprio nome diz, todos os jogos de todos os times, transmitidos via internet e em qualidades que atendem desde a sua internet Banda Larga de “1 mega” até transmissões em HD. Os outros dois são auto-explicativos: Siga seu time é um pacote com todos os jogos do seu time nas condições acima. Passe 24horas: Você paga uma quantia (no de Basquete módicos R$1,99) e tem acesso ao sistema de transmissão ao vivo dos jogos por 24 horas. Acervo: Você só pode assistir aos jogos que já estão gravados. Nesta modalidade não há acesso a transmissão das partidas ao vivo.

Prosseguindo, fiquei feliz com a chegada desse tipo de serviço aqui no Brasil. Fui assinante durante dois anos de um plano da globo.com que permitia assistir as partidas do Campeonato Brasileiro apenas depois do seu término (ou seja semelhante a modalidade acervo). Isso nem me incomodava. Abandonei o serviço porque a própria Globo o abandonou, fornecendo apenas um ou dois jogos para assistir.

Pois bem: Nesse link você pode ver a Carta-convite que o Clube dos 13 fez para convidar as empresas a prover a transmissão de jogos de futebol via internet. Seria uma novidade que agradaria a muitas pessoas, ter acesso aos jogos do seu time via internet, pagando por isso um preço justo. Se você acessou o link das ligas americanas lá em cima, viu que o preço do serviço não é barato. Ia ser uma maravilha, não fosse por esse pequeno trecho que eu copiei da carta e reproduzo neste blog:

2. A transmissão dos jogos pela internet poderá ser
realizada pelo sistema pay-per-view, de forma diferida
com atraso de 45 minutos com relação ao tempo real
de realização dos jogo

Por que criatura comprar os direitos de transmissão de um evento, que só pode ser transmitido com 45 minutos de atraso em relação ao tempo real? Como o Cardoso fala várias vezes em seus blogs, esse pessoal que elaborou essa carta “não entendeu a internet”.  Poderiam fazer um plano com transmissão ao vivo, gerando receita não só via assinaturas, que não seriam vendidas a preço de banana, mas com publicidade direta.

Mas você pode me dizer, ó querido leitor, que eu estou reclamando de barriga cheia, pelo menos vai ter algum tipo de transmissão via internet ano que vem. Aí é que você se engana. Os clubes de futebol romperam a ligação com o Clube dos Treze e negociaram seus direitos de transmissão diretamente com a Rede Globo, portanto não há obrigação nenhuma no novo acordo de garantir qualquer transmissão via internet.

Quem ganha com isso? As “empresas” de transmissão pirata. As que funcionam na internet já cobram taxas para fornecer uma boa qualidade de transmissão. E as da rua também pois pouco me importam mil canais de filmes e séries repetidos, quando eu só queria um pacote com a transmissão do futebol Brasileiro.

Espero que não demoremos muito para evoluir nesse quesito.

Hoje no e-mail que recebo do PHP Classes, notei que o assunto do email me chamou mais atenção do que o normal. Geralmente minha leitura deste e-mail em específico é uma rápida passada de olhos nos nomes das classes publicadas. Dificilmente alguma coisa me interessa se eu não estiver realmente procurando por uma classe. Informações irrelevantes sobre como eu leio meus e-mails a parte, o assunto deste realmente me fixou, pois o assunto era ‘Debate sobre trabalho remoto para desenvolvedores Web’. Eu sou desenvolvedor Web, e tenho trabalhado remotamente desde o começo, nunca tive um vínculo formal com nenhuma das empresas que prestei serviço.

É interessante ter essa liberdade de poder trabalhar em casa, mas essa liberdade trás responsabilidades bem maiores que as habituais dos funcionários presenciais das empresas. Como na maioria das vezes seu empregador/cliente quer o serviço pronto, você acaba tendo a impressão que trabalha 24 horas por dia em função deles. O contrário disso também pode acontecer, quando você está entre projetos e o seu chefe acha que você não está fazendo nada, mas também não oferece uma reciclagem ou algum treinamento que pode melhorar seu rendimento para o próximo trabalho.

O título deste post é pra me lembrar e também postar aqui que o PHP Classes, além de fornecer aquele monte de classes pra você usar, ainda conta com um podcast chamado Lately in PHPa edição atual sobre trabalho remoto você pode baixar para ouvir clicando aqui. Também é bom passar pela seção de empregos do site, quem sabe você não acha uma colocação melhor no mercado de trabalho?

Este artigo não é um post patrocinado, estou apenas aproveitando para devolver um pouco do que esse site já me proporcionou.

Saiu hoje no blog do Chromium (desenvolvedores do Google Chrome) informações sobre o Dart, uma linguagem de programação estruturada voltada para web. As metas da linguagem são:

  • Ser flexível e estruturada para a web;
  • Ser familiar e natural para programadores, mas ainda assim ser fácil de desenvolver;
  • Garantir que a linguagem terá alta performance.

Dito isto, e lendo o post de lançamento nos resta agora visitar o Dartboard, um lugar onde você pode testar seu código na linguagem em busca de erros.

Eu não sei se tem espaço para mais uma linguagem de programação na minha cabeça, mas vai que o Dart (Vader) consegue dominar o mundo?

Incrível como funcionam algumas coisas. Acabei de ver aqui uma propaganda aleatória de uma das maiores empresas de internet no Brasil, vendendo o tal do domínio .br.com, sim você leu certo o domínio proposto seria suamarca.br.com. Eu imediatamente senti o cheiro de armadilha no ar, e de armadilha velha ainda por cima. Veja este post no Meio-bit que abordou o assunto em 2008. O espanto é que agora a tutela da brincadeira está por conta do IG, alegando que é uma coisa comum, que está sendo feita em todo mundo. Eu até concordo. Domain squatting realmente existe a muito tempo e já é odiada desde os tempos mais primórdios do www.

Óbvio que ler esse mimimi no meu blog não ajuda muito, mas acompanhe no IDG uma matéria sobre o assunto.

O Projeto pdf.js atingiu na sexta-feira sua primeira meta concreta, que era de conseguir renderizar corretamente um arquivo pdf de 4 páginas utilizando apenas javascript.

O objetivo do projeto é renderizar perfeitamente os documentos gravados no formato PDF 1.7 e eles esperam conseguir fazer isso na próxima versão.

Abaixo tem um screenshot comparando a versão lançada semana passada com a primeira versão. Os resultados são surpreendentes:

Comparativo entre versões do pdf.js

Comparativo entre versões do pdf.js

Eu testei aqui com o Firefox 5 e não tive resultados tão interessantes quanto os exibidos, mas mesmo assim é interessante acompanhar a página do projeto e ver todo o progresso que os desenvolvedores estão atingindo.